Projeto do Novo Portal Interlegis

Esta página reúne informações sobre o projeto do novo Portal Interlegis (versão 5.0).

Previsão de lançamento: jan/2012
Gerente: Marcio Mazza - Analista Legislativo - Interlegis - correio: mazza

Subprojetos

O trabalho do projeto é executado através de dois contratos PNUD, cujos termos de referência são:

EST-INF-POR 2011
Elaborar projeto de novo portal na Internet contento requisitos tecnológicos e de informação atuais

Termo de Referência No. 135629.
Executado pelo consultor Davi Lima de Medeiros

ATU-POR 2011
Atualização da Plataforma tecnológica e dos novos requisitos para o Portal Interlegis

Termo de Referência No. 135645.
Executado pelo consultor Lucas Carvalho de Aquino

Os projetos possuem estreita dependência e exigem comunicação constante entre os consultores.

Marcos

Foram estabelecidos 2 marcos de entrega:

Processo

Estas são algumas diretrizes de qualidade que devem ser observadas na implementação do projeto.

A lista é não exaustiva, mas serve para enfatizar alguns pontos que devem ser verificados.

Build

Produtos

  • Todos os produtos escritos devem ser eggs
  • Todos os eggs escritos devem ter suas dependências enumeradas no setup.py
  • Todos os eggs escritos devem possuir README.txt com sua descrição, e setup.py com campos de documentação preenchidos

Seleção de Produtos de Terceiros

  • Todos os produtos devem ser compatíveis com a versão do Plone utilizada.
  • Os produtos devem ser compatíveis entre si.
  • Para cada produto, deve haver testes que demonstrem sua presença.

Documentacão

  • O código escrito deve ser, em geral, documentado.
  • A melhor documentação é o código escrito com clareza.
  • Em cenários de muita clareza não deve haver documentação, que seria supérflua e dispersiva.

Versionamento

  • Todo o trabalho produzido deve ser versionado no repositório SVN do projeto em source:publico/PortalInterlegis
  • Dados, em geral, não devem ser versionados
    • em particular, ZEXP's, em geral, não devem ser versionados

Testes

  • Tudo deve ser testado. "O que não foi testado não foi feito."
    • Deve haver cobertura de testes de 100% para todo código escrito
    • As integrações devem ser testadas
  • Todos os testes devem ser, em geral, automáticos.
  • Quando não houver teste automático, o procedimento de teste manual deve ser escrito, em seus diversos passos.
Última modificação 8 anos atrás Última modificação em 28/02/2012 15:29:56
 

The contents and data of this website are published under license:
Creative Commons 4.0 Brasil - Atribuir Fonte - Compartilhar Igual.